sexta-feira, março 07, 2008

Dos sentidos para os sorrisos.

'Se os olhos agora se fecham, apenas deixam que o sentidos façam a parte da verdade e do coração que ao longe está. A imensidçaõ do silêncio nunca fez tanto sentido e nem deixou tantas palavras sem sentido. Saber do que somos feitos dentro de nós mesmos e não entender mais nada, perder o tempo, sair da existência. Se a plenitude pudesse ser descrita e se pudéssemos transcrevê-la, com toda a certeza do mundo a faríamos. Mas, descrever é limitar a extensão dos sentidos, então prefiro deixar em branco, sem cores, sem som, sem fala, sem visão, sem tato, sem nada.. apenas deixar, deixar fluir como as águas que correm, o sol que nasce e se põe, mas nunca tem fim. Tenho voltado a escrever a esmo, entendido melhor as subjetividades, encontrado simples fatos cotidianos, dado as mãos pra´s estrelas, visitado o céu; todos os dias. Tenho sorrido com os olhos, amado com as mãos mais do que jamais havia, entregado dons, decifrado olhares, sentido. Tenho estado leve independentemente de qualquer acontecimento. Tantas coisas maravilhosas: pequenas ou gigantes, a simplicidade e a doçura são sublimes.'

0 Comentários:

Postar um comentário