sexta-feira, dezembro 26, 2008

Twilight

O filme é lindo, adorei.

Provavelmente o ultimo post. Amanhã estarei longe da vida agitada de BC, ó. Ninguém merece ficar por aqui em plena temporada. Beijos, um ótimo fim do ano pra vocês!

Feliz Natal!

terça-feira, dezembro 23, 2008

Ser feliz!

Tem muita gente que se distrai e é feliz pra sempre, sem conhecer as delícias de ser feliz por uns meses, depois infeliz por uns dias, felicíssimo por uns instantes, em outros instantes achar que ficou maluco.

sexta-feira, dezembro 19, 2008

Te amo muito.

Tu é tudo que eu quero hoje e sempre.

quarta-feira, dezembro 17, 2008

A perfeição

O que me tranqüiliza é que tudo o que existe, existe com uma precisão absoluta. O que for do tamanho de uma cabeça de alfinete não transborda nem uma fração de milímetro além do tamanho de uma cabeça de alfinete. Tudo o que existe é de uma grande exatidão. Pena é que a maior parte do que existe com essa exatidão nos é tecnicamente invisível. O bom é que a verdade chega a nós como um sentido secreto das coisas. Nós terminamos adivinhando, confusos, a perfeição.

Clarice Lispector

segunda-feira, dezembro 15, 2008

Sonho parece verdade quando a gente esquece de acordar. E o dia parece metade quando a gente acorda e esquece de levantar. Ah! e o mundo é perfeito, mas o mundo é perfeito, e o mundo é perfeito...

FA

sexta-feira, dezembro 12, 2008

Garota da vitrine.


Some nights alone he thinks of her, and some nights alone she thinks of him. Some nights these thoughts occur at the same moment and Ray and Mirabelle are connected without even knowing it.

But Mirabelle, now feeling the warmth of her first reciprocal love, has broken away from him. And as Jeremy offers her more of his heart, Mirabelle offers equal parts of herself in return. One night, sooner that what she would’ve liked, which made it irresistible, they make love for the first time in fourteen months. At this point, Jeremy surpasses Ray Porter as a lover of Mirabelle, because what he offers her is tender and true.

(…)

Ray - Just so you know, I am sorry for the way I’ve treated you.
Mirabelle - I know.
Ray - I did love you.

As Ray Porter watches Mirabelle walk away, he feels a loss. How is it possible - he thinks - to miss a woman whom he kept at a distance so that when she was gone he would not miss her?

Only then does he realizes how wanting part of her and not all of her, had hurt them both and how he can not justify his actions, except that, well… it was life.

quinta-feira, dezembro 11, 2008

Renato Russo

Digam o que disserem, o mal do século é a solidão.

quarta-feira, dezembro 10, 2008

A única coisa que me espera é exatamente o inesperado.
Clarice Lispector

terça-feira, dezembro 09, 2008

É eu preciso dizer que eu te amo taaaaaaanto.

Maaaaaania de você.

segunda-feira, dezembro 01, 2008

Fazendo algum sentido?


O Imperador

Assumindo o poder sobre a própria vida

O conselho emitido pelo Tarot vem através da imagem do arcano IV, chamado “O Imperador”, cuja imagem nos revela uma figura masculina solidamente colocada, irradiando poder e autoridade. O pedido do arcano IV é o da importância de reconhecer a própria força e não depender demais de ninguém. Sempre que dependemos do outro, o outro pode falhar conosco eventualmente e qualquer felicidade excessivamente buscada fora de nós é absolutamente temporária. Procure, neste momento, cultivar a referência do seu próprio poder pessoal e não se deixe levar demais pelos conselhos alheios. Reconheça, em si, a autoridade para comandar sua própria vida.

Conselho: Seja mais independente neste momento.

Tempo, tempo, tempo...

Tic-tac
Tic-tac
Tic-tac
Tic-tac


O melhor tempo de todos os tempos! Te amo e eu sei que tu me ama até bicudinha. HAHAHAA

segunda-feira, novembro 24, 2008

O amor é quando um mora no outro.

Mario Quintana

quinta-feira, novembro 20, 2008

AA

Qualquer curva de qualquer destino que desfaça o curso de qualquer certeza, né Arnaldo.

terça-feira, novembro 18, 2008

Pra semre até quando?

Muitas vezes o "pra sempre" não dura tanto quanto duram nossa teimosia e nosso receio de mudar... O filme Pão e Tulipas conta a história de uma dona de casa que viaja de excursão com a família mas é esquecida pelo ônibus num restaurante de beira de estrada. Então ela aproveita a oportunidade para "tirar férias" da vida que levava: pega uma carona, vai pra Veneza e começa a excursionar sozinha por uma nova vida. Ao sair do cinema, me lembrei de uma passagem do livro Ela É Carioca, de Ruy Castro. Lá pelas tantas, ele conta que determinada mulher havia viajado muito e freqüentado todas as festas, até que casou, teve três filhos e por pouco não se aquietou. "Se ela se distraísse, acabaria sendo "feliz para sempre". Ser feliz para sempre é o final que todos nós sonhamos para nossa história pessoal. A personagem de Pão e Tulipas estava sendo feliz pra sempre, até que descobriu que a felicidade muda de significado várias vezes durante o percurso de uma vida. Ninguém sabe direito o que é felicidade, mas definitivamente, não é acomodação. Acomodar-se é o mesmo que fazer uma longa viagem no piloto automático. Muito seguro, mas que causa aborrecimento. É preciso um pouquinho de turbulência para a gente acordar e sentir alguma coisa, nem que seja medo. Tem muita gente que se distrai e é feliz pra sempre, sem conhecer as delícias de ser feliz por uns meses, depois infeliz por uns dias, felicíssimo por uns instantes, em outros instantes achar que ficou maluco, então ser feliz de novo em Fevereiro e Março, e em Abril questionar tudo o que se fez, aí em Agosto ser feliz porque uma ousadia deu certo, e infeliz porque durou pouco, e assim sentir-se realmente vivo porque cada dia passa a ser um único dia, e não mais um dia. Eu não gosto de montanha-russa, o brinquedo, mas gosto de montanha-russa, a vida. Isso porque creio possuir um certo grau de responsabilidade que me permite saber até que altura posso ir e que tipo de tombo posso levar sem me machucar demasiadamente: alto demais não vou, mas ficar no chão o tempo inteiro não fico. Viver não é seguro. Viver não é fácil. E não pode ser monótono. Mesmo fazendo escolhas aparentemente definitivas, ainda assim podemos excursionar por dentro de nós mesmos e descobrir lugares desabitados que nunca colocamos os pés, nem mesmo em imaginação. E estando lá, rever nossas escolhas e recalcular a duração de "pra sempre". Muitas vezes o "prá sempre" não dura tanto quanto duram nossa teimosia e nosso receio de mudar.

Martha Medeiro

Hoje dói tudo.

Dos pés a cabeça, da alma ao chão.

sábado, novembro 15, 2008

Vinícius de Morais

A vida é a arte do encontro, embora haja tanto desencontro pela vida. É preciso encontrar as coisas certas da vida, para que ela tenha o sentido que se deseja. Assim, a escolha de uma profissão também é a arte do encontro, porque a vida só adquire vida, quando a gente empresta a nossa vida, para o resto da vida.

quinta-feira, novembro 13, 2008

Perto de ser quem é.

Não sou boa com números. Com frases-feitas. E com morais de história. Gosto do que me tira o fôlego. Venero o improvável. Almejo o quase impossível. Meu coração é livre, mesmo amando tanto. Tenho um ritmo que me complica. Uma vontade que não passa. Uma palavra que nunca dorme. Quer um bom desafio? Experimente gostar de mim. Não sou fácil. Não coleciono inimigos. Quase nunca estou pra ninguém. Mudo de humor conforme a lua. Me irrito fácil. Me desinteresso à toa. Tenho o desassossego dentro da bolsa. E um par de asas que nunca deixo. Às vezes, quando é tarde da noite, eu viajo. E - sem saber - busco respostas que não encontro aqui. Ontem, eu perdi um sonho. E acordei chorando, logo eu que adoro sorrir... Mas não tem nada, não. Bonito mesmo é essa coisa da vida: um dia, quando menos se espera, a gente se supera. E chega mais perto de ser quem - na verdade - a gente é.

Fernanda Mello

quarta-feira, novembro 12, 2008

segunda-feira, novembro 10, 2008

Why do we like to hurt so much?

Oh, why do we like to hurt so much?

Paramore

domingo, novembro 09, 2008

É isso.

terça-feira, novembro 04, 2008

Haja hoje para tanto ontem.

Paulo Leminski

Li e gostei!

domingo, outubro 26, 2008

Visualizações do perfil: 666.

O inferno são os outros.

Jean-Paul Sartre

quarta-feira, outubro 22, 2008

I just can't stop!

I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.
I just can't stop.

Ô música!

segunda-feira, outubro 20, 2008

Uma noite e meia.

Seis meses é meio ano, seis meses é um período de faculdade, seis meses são parcelas atrasadas, seis meses podem ser os primeiros seis meses do ano, ou os últimos do ano, ou a apenas seis meses de um ano, 1/4 de um ano e 1/4 de outro ano, seis meses é algo realmente bom. Seis meses ao teu lado é calor no coração, magia colorida e coisas da vida. Além dos dias bonitos e momentos apaixonados. Só contigo, mesmo.
Te amo e não é pouco.

Sobre o agora.

Vivo tão intensamente o momento presente que quase chego atrasada ao momento seguinte.
Encha o peito com mais de trezentos suspiros,
quando estiver bem levinho,
solte as amarras
e flutue.

terça-feira, outubro 14, 2008

O meu inferno é o céu.

sábado, outubro 11, 2008

Num doce balanço, a caminho do mar..

O mundo inteirinho se enche de graça
E fica mais lindo
Por causa do amor

Garota de Ipanema

domingo, setembro 28, 2008

Charles Chaplin

A coisa mais injusta sobre a vida é a maneira como ela termina. Eu acho que o verdadeiro ciclo da vida está todo de trás pra frente. Nós deveríamos morrer primeiro, nos livrar logo disso.

Daí viver num asilo, até ser chutado pra fora de lá por estar muito novo. Ganhar um relógio de ouro e ir trabalhar. Então você trabalha 40 anos até ficar novo o bastante pra poder aproveitar sua aposentadoria. Aí você curte tudo, bebe bastante álcool, faz festas e se prepara para a faculdade.

Você vai para colégio, tem várias namoradas, vira criança, não tem nenhuma responsabilidade, se torna um bebezinho de colo, volta pro útero da mãe, passa seus últimos nove meses de vida flutuando. E termina tudo com um ótimo orgasmo! Não seria perfeito?

Tão bom morrer de amor e continuar vivendo

Mário Quintana

sexta-feira, setembro 26, 2008

Diário de uma paixão

'A razão por que a despedida nos dói tanto é que nossas almas estão ligadas.Talvez sempre tenham sido e sempre serão.Talvez nós tenhamos vivido mil vidas antes desta e em cada uma delas nós nos encontramos.E talvez a cada vez tenhamos sido forçados a nos separar pelos mesmos motivos.Isso significa que este adeus é ao mesmo tempo um adeus pelos últimos dez mil anos e um prelúdio do que virá.'


terça-feira, setembro 23, 2008

Djavan é tão bonito.

Você sabe fazer
Tudo o que faz
Nada existe em você
Que eu não goste demais
Quando você me diz
Me apaixonei por você, "meu"
Faz a cara feliz
De quem sabe o que é seu
Eu nunca vi nada assim "ô loco"!!!
É como faz o amor
Pra se proteger
Dá um "zignal" na dor
É vetado sofrer
Discordar, discutir
Nada é mais saudável, não, não, não
Um olhar neném de ser
Logo fecha a questão
Eu nunca vi nada assim "ô loco"
Ar, só com você
Mar, com você qualquer fundura dá
Tudo é tão meu
Quando você vem se chegando, chegando
De um modo só seu

Djavan - Meu

segunda-feira, setembro 22, 2008

quarta-feira, setembro 10, 2008

Pump up the jam.

I want a place to stay
Get your boody on the floor tonight
Make my day

I want a place to stay
Get your boody on the floor tonight
Make my day


I want a place to stay
Get your boody on the floor tonight
Make my day


I want a place to stay
Get your boody on the floor tonight
Make my day

domingo, setembro 07, 2008

Albert Camus

A vida é a soma de todas as suas escolhas.

quarta-feira, agosto 27, 2008

Só muito chocolate, muito.

Estou de mau humor, ok?!

terça-feira, agosto 26, 2008

Sou sua ponte pro além de nós!

Ter ou não ter namorado, eis a questão.

Quem não tem namorado é alguém que tirou férias remuneradas de si mesmo. Namorado é a mais difícil das conquistas. Difícil porque namorado de verdade é muito raro. Necessita de adivinhação, de pele, saliva, lágrima, nuvem, quindim, brisa ou filosofia. Paquera, gabira, flerte, caso, transa, envolvimento, até paixão é fácil. Mas namorado mesmo é muito difícil.

Namorado não precisa ser o mais bonito, mas ser aquele a quem se quer proteger e quando se chega ao lado dele a gente treme, sua frio, e quase desmaia pedindo proteção. A proteção dele não precisa ser parruda ou bandoleira: basta um olhar de compreensão ou mesmo de aflição.

Quem não tem namorado não é quem não tem amor: é quem não sabe o gosto de namorar. Se você tem três pretendentes, dois paqueras, um envolvimento, dois amantes e um esposo; mesmo assim pode não ter nenhum namorado. Não tem namorado quem não sabe o gosto da chuva, cinema, sessão das duas, medo do pai, sanduíche da padaria ou drible no trabalho.

Não tem namorado quem transa sem carinho, quem se acaricia sem vontade de virar lagartixa e quem ama sem alegria.

Não tem namorado quem faz pactos de amor apenas com a infelicidade. Namorar é fazer pactos com a felicidade, ainda que rápida, escondida, fugidia ou impossível de curar.

Não tem namorado quem não sabe dar o valor de mãos dadas, de carinho escondido na hora que passa o filme, da flor catada no muro e entregue de repente, de poesia de Fernando Pessoa, Vinícius de Moraes ou Chico Buarque, lida bem devagar, de gargalhada quando fala junto ou descobre a meia rasgada, de ânsia enorme de viajar junto para a Escócia, ou mesmo de metrô, bonde, nuvem, cavalo, tapete mágico ou foguete interplanetário.

Não tem namorado quem não gosta de dormir, fazer sesta abraçado, fazer compra junto. Não tem namorado quem não gosta de falar do próprio amor nem de ficar horas e horas olhando o mistério do outro dentro dos olhos dele; abobalhados de alegria pela lucidez do amor.

Não tem namorado quem não redescobre a criança e a do amado e vai com ela a parques, fliperamas, beira d'água, show do Milton Nascimento, bosques enluarados, ruas de sonhos ou musical da Metro.

Não tem namorado quem não tem música secreta com ele, quem não dedica livros, quem não recorta artigos, quem não se chateia com o fato de seu bem ser paquerado. Não tem namorado quem ama sem gostar; quem gosta sem curtir quem curte sem aprofundar.

Não tem namorado quem nunca sentiu o gosto de ser lembrado de repente no fim de semana, na madrugada ou meio-dia do dia de sol em plena praia cheia de rivais.

Não tem namorado quem ama sem se dedicar, quem namora sem brincar, quem vive cheio de obrigações; quem faz sexo sem esperar o outro ir junto com ele.

Não tem namorado que confunde solidão com ficar sozinho e em paz. Não tem namorado quem não fala sozinho, não ri de si mesmo e quem tem medo de ser afetivo.

Se você não tem namorado porque não descobriu que o amor é alegre e você vive pesando 200Kg de grilos e de medos. Ponha a saia mais leve, aquela de chita, e passeie de mãos dadas com o ar. Enfeite-se com margaridas e ternuras e escove a alma com leves fricções de esperança. De alma escovada e coração estouvado, saia do quintal de si mesma e descubra o próprio jardim.

Acorde com gosto de caqui e sorria lírios para quem passe debaixo de sua janela. Ponha intenção de quermesse em seus olhos e beba licor de contos de fada. Ande como se o chão estivesse repleto de sons de flauta e do céu descesse uma névoa de borboletas, cada qual trazendo uma pérola falante a dizer frases sutis e palavras de galanteio.

Se você não tem namorado é porque não enlouqueceu aquele pouquinho necessário para fazer a vida parar e, de repente, parecer que faz sentido.

Atribuído a Carlos Drummond de Andrade,
mas é de Artur da Távola.

domingo, agosto 24, 2008

Feliz.

Que culpa a gente tem de ser feliz?
Que culpa a gente têm, meu bem?
O mundo bem diante do nariz
Feliz aqui e não além

Skank

terça-feira, agosto 19, 2008

quarta-feira, julho 30, 2008

Luís Fernando Veríssimo

O mundo é como um espelho que devolve a cada pessoa o reflexo de seus próprios pensamentos. A maneira como você encara a vida é que faz toda diferença.

Paulinho Moska

E eu no meio disso tudo, sem saber..
Se estamos no inicio do que vamos ser?!

domingo, julho 27, 2008

Você tem sede de quê?

Infinito é o que se encontra para além de tudo, do conhecimento, da imaginação, do alcance da mão. Ter sede do que se encontra para lá da linha do horizonte é a imensa vontade de alcançar o que não vemos, o que não possuímos, o que não conhecemos, é por fim, uma forma de perseguir o saber e o conhecimento, se assim o desejarmos, conduzir o sonho através do tempo.

segunda-feira, julho 21, 2008

Um quê de mistério.

Sempre há alguma coisa que falta. Guarde isso sem dor, embora, em segredo, doa.

Caio Fernando de Abreu

quarta-feira, julho 16, 2008

Bem vindo à vida, não há saída.

'Oscilar é algo que constitui o próprio significado da vida. Hormônios, vontades, desejos, iras, buscas, encontros, afastamentos, arrependimentos, ofensas, desculpas... uai! Nem todos os dias se ama chocolate do mesmo jeito! Nossas convicções não foram sempre estáticas, e talvez sejam, quem sabe, só até agorinha. Nosso ódio não se expressa da mesma forma em todos os momentos. Às vezes com um riso amarelo, mordendo a boca a ponto de contrair os músculos do pescoço, outro, com palavras, ferindo com pensamentos. E outro, (ha! esse é o mais divertido!), jogando uma panela com bastante água fervente!

Ora, somos oscilantes no peso, no interesse em conversar, de estar próximo de um amigo. Na carência de um beijo, na certeza dos defeitos que fazem quem realmente somos, na confiança que damos aos nossos olhos e de suas interpretações. Oscilamos no respeito que temos por uma pessoa, na antipatia que sentimos por outra e no valor dos fatos. E é nessa oscilação que vamos percebendo que tudo isso é algo do que entendemos como vida. Mesmo que em alguns momentos seja preciso ser "estático" ou "rígido", não há saída, bem vindo à vida. Ela é oscilante em seus fatos e interpretações e faz com que também sejamos oscilantes nisso ou naquilo, querendo ou não.

E hoje, especialmente hoje, me senti assim. Não num surto de integridade, não oco de razão, não extremamente sóbrio, não loucamente apaixonado, não compreensivo, não incisivo, não feliz, não odioso, não vingativo, não amigo, não saudoso, não autônomo. Me senti como tudo na vida: vivo... oscilante.'

Eu odeio coincidências.

Simplesmente.

domingo, julho 13, 2008

Tanto faz.

Mas agora tanto faz
Você já me perdeu
Não olhe para trás
Não veja o que aconteceu
Agora tanto faz
Você já percebeu
Não olhe para trás
Não veja o que aconteceu

sexta-feira, julho 11, 2008

Acontecimentos, acontecimentos, acontecimentos..

Você foi
Agora a coisa mais importante
que já me aconteceu neste momento
Em toda a minha vida
Um paradoxo do pretérito imperfeito
Complexo com a Teoria da Relatividade
Num momento crucial
Um sábio soube saber que o sabiá sabia assobiar
E quem amafagafar os mafagafinhos
Bom amafagafigador será

Mamonas Assassinas

terça-feira, julho 08, 2008

Hoje e amanhã.

Afinal deste dia fica o que de ontem ficou e ficará de amanhã: a ânsia insaciável e inúmera de ser sempre o mesmo e outro.

quarta-feira, julho 02, 2008

Pra Hanna!

Metade


"Que a força do medo que tenho não me impeça de ver o que anseio.
Que a morte de tudo que acredito não me tape os ouvidos e a boca.
Porque metade de mim é o que eu grito, mas a outra metade é silêncio.

Que a música que eu ouço ao longe seja linda, ainda que tristeza.
Que a mulher que eu amo seja sempre amada, mesmo que distante.
Porque metade de mim é partida e a outra metade é saudade.

Que as palavras que eu falo não sejam ouvidas como prece nem repetidas com fervor.
Apenas respeitadas como a única coisa que resta a um homem inundado de sentimento.
Porque metade de mim é o que eu ouço, mas a outra metade é o que calo.

Que essa minha vontade de ir embora se transforme na calma e na paz que eu mereço.
Que essa tensão que me corrói por dentro seja um dia recompensada.
Porque metade de mim é o que eu penso e a outra metade é um vulcão.

Que o medo da solidão se afaste, que o convívio comigo mesmo se torne ao menos suportável.
Que o espelho reflita em meu rosto o doce sorriso que eu me lembro de ter dado na infância.
Porque metade de mim é a lembrança do que fui, a outra metade eu não sei...

Que não seja preciso mais do que uma simples alegria para me fazer aquietar o espírito.
E que o teu silêncio me fale cada vez mais.
Porque metade de mim é abrigo, mas a outra metade é cansaço.

Que a arte nos aponte uma resposta, mesmo que ela não saiba.
E que ninguém a tente complicar porque é preciso simplicidade para fazê-la florescer.
Porque metade de mim é a platéia e a outra metade, a canção.

E que minha loucura seja perdoada.
Porque metade de mim é amor e a outra metade... também."


Oswaldo Montenegro

Ab aeterno usque in aeternum.

terça-feira, julho 01, 2008

Eu gosto de você.

"Goste de alguém que te ame, alguém que te espere, alguém que te compreenda mesmo nos momentos de loucura. De alguém que te ajude, que te guíe, que seja seu apoio, tua esperança, teu tudo.
Goste de alguém que não te traia, que seja fiel, que sonhe contigo, que só pense em você, que só pense no teu rosto, na tua delicadeza, no teu espírito e não no teu corpo nem nos teus bens.
Goste de alguém que te espere até o final, de alguém que seja o que você escolher.
Goste de alguém que sofra junto contigo, que ría junto a ti, que limpe tuas lágrimas, que te abrigue quando necessário, que fique feliz com tuas alegrías e que te de forças depois de um fracaso.
Goste de alguém que volte pra conversar com você depois das brigas, depois do desencontro, de alguém que caminhe junto a ti, que seja companheiro, que respeite tuas fantasías, tuas ilusões.
Goste de alguém que te ame.
Não goste apenas do amor, goste de alguém que sinta o mesmo sentimento por você."

segunda-feira, junho 30, 2008

Crise de domingo.

Vontade de mandar o mundo inteiro tomar no cu.
Então...

VÃO TOMAR NO CU!

sexta-feira, junho 27, 2008

O Sentido.

Existe uma falta de sentido para as coisas, o líquido que você bebe, o cabelo que você corta, o mundo que você vive! ( W.F. Junior)

quinta-feira, junho 26, 2008

Nothing else matters

Trust I seek and I find in you


Metallica

domingo, junho 22, 2008

COGITO ERGO SUM.

Latim.

É, pois é.

Tão simples e eu sempre fazendo questão de complicar. Ô, caralho!

quinta-feira, junho 19, 2008

Era.

A questão era o aspecto que você tinha ao falar e não o que realmente dizia.

segunda-feira, junho 16, 2008

Oswaldo Montenegro

E que a minha loucura seja perdoada.
Porque metade de mim é amor e a outra metade... também.

Sei lá.

As minhas verdades me bastam, mesmo sendo mentiras.

terça-feira, junho 10, 2008

Aos que não nos enxergam.

Oi, eu estou bem aqui na sua frente, mas você insiste em não me ver. Tudo bem, opção sua, cada um enxerga o que quer. O problema é quando você, sem ter idéia de como sou, resolve dar a sua visão sobre mim. Talvez você não se enxergue também, antes de mais nada – e assim me tire por parecida contigo. Errando completamente. Para começar, eu faço questão de ver as pessoas ao meu redor, e isso faz toda a diferença do mundo. Percebo que todos têm algo de especial, estando aí a graça. Percebo belezas que não são minhas, estando aí o prazer.

Percebo inclusive você, parado bem na minha frente, desviando seu olhar para lá e para cá, nervoso com a minha presença, estando aí o ridículo.

Veja bem, não há o que temer em mim. Não quero nada que seja seu. E não sou nada que você também não seja, pelo menos um pouquinho.

Você não precisa gostar de mim para me enxergar, mas precisa me enxergar para não gostar de mim. Ou gostar, e talvez seja exatamente isso que você tema. Embora isso não faça sentido, já que a vida é bela, justamente, quando estamos diante daquilo que gostamos, certo?

Não vou dizer que não me irrita essa sua cegueira específica com relação a mim, pois faço de tudo para ser entendida. Por todos. Sempre esforço-me ao máximo para que isso ocorra, aliás; então, a sua total ignorância a meu respeito, após todo esse tempo, nós dois tão perto, mexe, sim, levemente, com a minha paciência.

Se for essa a sua intenção, porém, mexer com a minha paciência, aviso que anda perdendo sua energia em besteira, pois um mosquito zumbindo em meu ouvido tem um efeito semelhante. E, se me dou ao trabalho de escrever esta carta para você, é porque sei que você também não será capaz de enxergar o que há nela.

Explicando melhor: preferiria que você me esquecesse, mas até para poder esquecer você vai ter que me enxergar. Enquanto não me olhar de frente, ao menos uma vez, ao menos por um segundo, vai continuar assim, para sempre, fugindo sistematicamente da minha imagem – um escravo de mim, em fuga constante, portanto.

Pode abrir os olhos, vai ver que não sou um bicho-de-sete-cabeças. Sou bem diferente de você, como já disse, mas isso é ótimo. Sou melhor que você em algumas coisas, pior que você em outras – acontece. No que eu for pior, pode virar para outro
lado; no que eu for melhor, cogite me admirar. “Olhos nos olhos, quero ver o que você faz...”* Sempre quis cantar isso para alguém. “Olhos nos olhos, quero ver o que você diz...”*

Pronto, um sonho realizado. Já estou lucrando com a nossa relação, só falta você. Basta ver o que eu posso lhe mostrar e enxergar o que eu posso ser para você.

* Trechos da música OLHOS NOS OLHOS, de Chico Buarque


Fernanda Young

sexta-feira, junho 06, 2008

Sobre a amizade..

As coisas mais desagradáveis que os nossos piores inimigos nos dizem pela frente não se comparam com as que nossos amigos dizem de nós pelas costas.

Alfred de Musset

quinta-feira, junho 05, 2008

De boas intenções, o inferno está cheio.

Pois é.

quarta-feira, junho 04, 2008

Ok, eu sou chata!

segunda-feira, junho 02, 2008

Sobre a felicidade..

"O que faz você feliz? A lua, a praia, o mar, uma rua, passear. Um doce, uma dança, um beijo ou goiabada com queijo? Afinal, o que faz você feliz? Chocolate, paixão, dormir cedo, acordar tarde. Arroz com feijão, matar a saudade, o aumento, a casa, o carro que você sempre quis. Ou são os sonhos que te fazem feliz? Dormir na rede, matar a sede, ler ou viver um romance. O que faz você feliz? Um lápis, uma letra, uma conversa boa, um cafuné, café com leite, rir a toa. Um pássaro, um parque, um chafariz ou será o choro que te faz feliz? A pausa para pensar, sentir o vento, esquecer o tempo, o céu, o sol, um som, a pessoa ou o lugar? Agora me diz: o que faz você feliz?"

Arnaldo Antunes

sexta-feira, maio 30, 2008

Brilhando!

E o olhar que eu guardo na lembrança
Ainda traz a esperança
de te ter ao meu ladinho numa próxima estação

Esse frio me mata!
E é cada música que me vem..

quinta-feira, maio 29, 2008

Eu gosto.

É tudo muito novo e dèja vu ao mesmo tempo.

terça-feira, maio 20, 2008

Hum.

Esssaaa noitee eu qurerooo te terrr lalalaaala..

HAHAHA

segunda-feira, maio 19, 2008

Sentimento Algum

Então me diz se é um sonho não quero acordarrrrr
Lalalaalalaaaalala

quinta-feira, maio 15, 2008

Leveza II

Estou um tanto quanto sem palavras. Tenho apenas que declarar minha alegria e minha calmaria de espírito.

Leveza.

'Aonde quer que você vá, vá com todo coração.'

Confúcio

Ok, estou indo.

quarta-feira, maio 14, 2008

OIN!

terça-feira, maio 13, 2008

Através do espelho

Nós enxergamos tudo num espelho, obscuramente. Às vezes conseguimos espiar através do espelho e ter uma visão de como são as coisas do outro lado. Se conseguíssemos polir mais esse eespelho, veríamos muito mais coisas. Porém não enxergaríamos mais a nós mesmos.

Jostein Gaarder

Kurt Cobain

A frase que ficou do livro: É melhor queimar do que se apagar aos poucos.

domingo, maio 11, 2008

Sem maiores crises, por favor.

Eu detesto ser tão ciumenta.

sexta-feira, maio 09, 2008

Forever.

E de novo acredito que nada do que é importante se perde verdadeiramente. Apenas nos iludimos, julgando ser donos das coisas, dos instantes e dos outros. Comigo caminham todos os mortos que amei, todos os amigos que se afastaram, todos os dias felizes que se apagaram. Nao perdi nada, apenas a ilusao de que tudo podia ser meu para sempre.

Miguel Sousa Tavares

segunda-feira, maio 05, 2008

Sorrisos.

Não quero saber do que está por vir. Me basta entender o presente: simples e bonito. Mas dentro desses dois adjetivos se escondem muitas outras palavras.

domingo, maio 04, 2008

Heavier than heaven.

Machado de Assis

Antes cair das nuvens que do terceiro andar.

sábado, maio 03, 2008

Eu odeio esperar!

sexta-feira, maio 02, 2008

E por aí vai..

'No mesmo ritmo ando adiando sempre e sempre cada palavra, transformando o amor em gesto, entregando ao silêncio o carinho que sinto.'

segunda-feira, abril 28, 2008

Aham, aham..

'A vida, meu amor, é uma grande sedução onde tudo o que existe se seduz.'

sábado, abril 26, 2008

Oh! Oh!

Essa magia coloriiidaa, são coisas da vidaaaaaa...

quinta-feira, abril 24, 2008

Quinta-feira, 24 de abril de 2008.















quarta-feira, abril 23, 2008

Tocaram sininhos.

Ahhh, que dia mais 'oin'!

segunda-feira, abril 21, 2008

É simples.

Pergunto-me, às vezes, o que nos leva a priorizar coisas tão relevantes e não conseguir ouvir a felicidade que berra ao nosso redor. Talvez, o poeta tenha respondido ao dizer: “A resposta eu sei de cor, está estampada na distância e frieza dos sorrisos, na frouxidão dos abraços, na indiferença dos "bom dia", quase que sussurrados. Sobra covardia e falta coragem até pra ser feliz.”
O poder mais sagrado que temos é a escolha. É aí que tudo começa. Não se prenda a um acontecimento que agora parece definitivo. O tempo está passando...
Tudo prepara uma forma de depois. Como se agora fosse uma passagem. E é necessário ir. Não pare, repito, não pare. Abra os olhos. Há encantos escondidos por toda parte. Preste atenção. São miúdos, mas constantes. Então perceba que a felicidade é um susto. E são essas surpresas que nos despertam sorrisos, vontade de viver, de cantar aquela música brega, de dar vexame em público e de dizer que ama, que ama, que ama. Não é preciso pensar. É só questão de escolha. O que você tem diante dos olhos, merece um sorriso?
É simples.

domingo, abril 20, 2008

Mais pesado que o céu.

sábado, abril 19, 2008

Cada um de nós deve deixar uma trilha benigna por onde passar.



O Pequeno Príncipe em jóias.
Eu quero!
Eu quero! Eu quero!

segunda-feira, abril 14, 2008

Dancing In The Moonlight.

Dancing in the moonlight
Everybody's feeling warm and bright
It's such a fine and natural sight
Everybody's dancing in the moonlight


Eita, música legalzinha!

domingo, abril 13, 2008

Silêncio.

Há momentos em que a luz miúda nos revela mais que mil holofotes.

sexta-feira, abril 11, 2008

Caminhando..

Pergunto-me se eu deveria caminhar à frente do tempo e esboçar logo um final. Acontece porém que eu mesmo ainda não sei como esse isto terminará. E também porque entendo que devo caminhar passo a passo de acordo com um prazo determinado por horas: até um bicho lida com o tempo. E esta é também a minha mais primeira condição: a de caminhar paulatinamente apesar da impaciência.
Lispector

quinta-feira, abril 10, 2008

Não esquecer.

Agora não é recado pra amigo, é pra mim.
Natalia, não! Não esquece dos dias jogados fora!

Já sei.

Vou tomar banho e sonhar acordada na cama. Pronto!

Essa é pra ti. É, tu mesmo.

Desligue o rádio e a TV, porque eu, no seu domingo, vou aparecer e nem querendo você vai viver longe de mim.

Não quero dormir.

Eu preciso, mas não quero. E agora?

quarta-feira, abril 09, 2008

Falta de título.

A idealização sem fins objetivos é sempre adversa à realidade. Dizer a verdade é o que condiz com qualquer circunstância.

terça-feira, abril 08, 2008

É, Sabino!

O diabo desta vida é que temos que escolher apenas um, entre cem caminhos, e viver com a nostalgia dos outros noventa e nove.

Eu sei.

Não se chega à ausência do desejo ou à renúncia por uma simples proeza intelectual, mas por um constante esforço do coração.

domingo, abril 06, 2008

No escuro e vendo.

Esperto, certo, de olhos abertos..

Mentira.

Num domingo.

Não quero nada na minha vida que eu não possa largar em dez minutos.

quarta-feira, abril 02, 2008

Tenho em mim todos os sonhos do mundo.

De sonhar ninguém se cansa, porque sonhar é esquecer, e esquecer não pesa e é um sono sem sonhos em que estamos despertos.

Fenando Pessoa

Tenho em mim todos os sonhos do mundo.

Saber não ter ilusões é absolutamente necessário para se poder ter sonhos. Atingirás assim o ponto supremo da abstenção sonhadora, onde os sentimentos se mesclam, os sentimentos se extravasam, as idéias se interpenetram. Assim como as cores e os sons sabem uns a outros, os ódios sabem a amores, e as coisas concretas a abstratas, e as abstratas a concretas. Quebram-se os laços que, ao mesmo tempo em que ligavam tudo, separavam tudo, isolando cada elemento. Tudo se funde e confunde.

Fernando Pessoa


terça-feira, abril 01, 2008

Passado.

Não importa o que você viveu, ninguém rouba.

domingo, março 30, 2008

Amores e desamores.

Como dizia o ensaísta suiço Denis de Rougemont em A história do amor no Ocidente, "o amor feliz não tem história. Só o amor ameaçado é digno de um romance."

quarta-feira, março 26, 2008

Descobertas da vida.

Acho a maior graça. Tomate previne isso, cebola previne aquilo, chocolate faz bem, chocolate faz mal, um cálice diário de vinho não tem problema, qualquer gole de álcool é nocivo, tome água em abundância, mas não exagere. Diante desta profusão de descobertas, acho mais seguro não mudar de hábitos. Sei direitinho o que faz bem e o que faz mal pra minha saúde. Prazer faz muito bem. Dormir me deixa 0 km. Ler um bom livro faz-me sentir novo em folha. Viajar me deixa tenso antes de embarcar, mas depois rejuvenesço uns cinco anos. Viagens aéreas não me incham as pernas; incham-me o cérebro, volto cheio de idéias. Brigar me provoca arritmia cardíaca. Ver pessoas tendo acessos de estupidez me embrulha o estômago. Testemunhar gente jogando lata de cerveja pela janela do carro me faz perder toda a fé no ser humano. E telejornais... os médicos deveriam proibir - como doem! Caminhar faz bem, dançar faz bem, ficar em silêncio quando uma discussão está pegando fogo, faz muito bem! Você exercita o autocontrole e ainda acorda no outro dia sem se sentir arrependido de nada. Acordar de manhã arrependido do que disse ou do que fez ontem à noite é prejudicial à saúde! E passar o resto do dia sem coragem para pedir desculpas, pior ainda! Não pedir perdão pelas nossas mancadas dá câncer, não há tomate ou mussarela que previna. Ir ao cinema, conseguir um lugar central nas fileiras do fundo, não ter ninguém atrapalhando sua visão, nenhum celular tocando e o filme ser espetacular, uau! Cinema é melhor pra saúde do que pipoca! Conversa é melhor do que piada. Exercício é melhor do que cirurgia. Humor é melhor do que rancor. Amigos são melhores do que gente influente. Economia é melhor do que dívida. Pergunta é melhor do que dúvida. Sonhar é melhor do que nada!
Luís Fernando Veríssimo

segunda-feira, março 24, 2008

Lição.

É melhor ficar 5 minutos com o rosto vermelho do que com um sorriso amarelo pro resto da vida.


domingo, março 23, 2008

Clarice Lispector.

"No fim tu hás de ver que as coisas mais leves foram as únicas que o vento não conseguiu levar!"

quinta-feira, março 20, 2008

Registrando o dia.

terça-feira, março 18, 2008

O pensar tirou férias e é tudo pelo sentir. Pelo sentir-se muito bem.

'Pode ser que daqui a um tempo não seja mais tão assim. Pelas estatísticas é até natural que não seja. Mas por enquanto está sendo. E isso é perfeito. A vida vai seguindo muito feliz. Se amanhã não for mais como é, para quê antecipar hoje esse amanhã? Por hoje basta. E esse hoje bastará enquanto for hoje. Ademais, vai chegar um dia em que o amanhã terá nome de hoje. E quem sabe não permaneceremos assim? Seja para contrariar as estatísticas, seja porque não pode ser diferente. Porque tem coisa que tem que ser e pronto. Não adianta querer mudar. E ainda bem que existe esse tipo de coisa.'

segunda-feira, março 17, 2008

Gabriel Garcia Marque.

É necessário abrir os olhos e perceber que as coisas boas estão dentro de nós, onde os sentimentos não precisam de motivos nem os desejos de razão. O importante é aproveitar o momento e aprender sua duração, pois a vida está nos olhos de quem saber ver.



A vida ideal consiste em ter bons amigos, bons livros e uma consciência sonolenta.

Mark Twain


Bom, então não me falta absolutamente nada.

domingo, março 16, 2008

Domingo, 16 de março de 2008.

Eis o meu segredo. É muito simples... Só se vê bem com o coração. O essencial é invisível aos olhos.

Antoine de Saint Exupéry - O Pequeno Príncipe

sexta-feira, março 14, 2008

Sexta-feira, 14 de março de 2008.

Enfim, sexta-feira. As semanas estão passsando tão rapido que nem dá tempo de respirar direito. Meu sonho vai me guiando, me levando cada vez mais longe. E eu chego cada vez mais perto. Entende? Encontrei um caminho bonito, onde não há atalhos e nem pedras que façam eu desviar..
Roubei a felicidade e fugi com ela.

Provérbio.

Não há bem que sempre dure, nem mal que sempre se ature.

quinta-feira, março 13, 2008

Quinta-feira, 13 de março de 2008.

E quando eu falo que eu já nem quero, a frase fica pelo avesso. Meio na contra-mão.

Quem de nós dois - Ana Carolina

Quarta-feira, 12 de março de 2008.

Amor com tempo de perder a hora.
Amor pra sempre.
Amor agora.

quarta-feira, março 12, 2008

Terça-feira, 11 de março de 2008.

Odeio que queiram me fazer entender o que eu já entendo faz tempo. Não me digam o que fazer se eu não perguntei. Não se metam na minha vida. Não pensem que sabem mais de mim do que eu mesma. Não tirem conclusões das minhas atitudes, ou falta delas. São todas baseadas em fatos.
Odeio pessoas que não possuem vida própria e seus desejos se baseiam em méritos de terceiros. São desejos que surgem de fora para dentro, e nunca, de dentro para fora. É como se essas pessoas fossem ocas.
Eu gosto de gente que seja o meu oposto ou não tão similar, que tenha sonhos, idéias, opiniões, ilusões, estilos, ou todas essas coisas que tornam pessoas parecidas, diferente de mim. Elas não me cansam tanto assim. Uma pessoa se torna interessante quando tem algo pra oferecer diferente do que você já está acostumado, por isso nunca tive melhores amigos que fossem parecidos comigo.
Além do meu problema em cultivar qualquer tipo de relacionamento, minha outra dificuldade é relembrar acontecimentos. Esqueço de fatos, mentiras ou verdades, esqueço. O que fica das supostas lembranças e momentos, são os sentimentos dentro de mim pelo que vive. A saudade de uns e o abuso de outros. Resumiu-se basicamente nisso. Saudade, abuso. Abuso, saudade.
E já que estou relevando algumas coisinhas, porque não salientar meu ciúme. Ciúme é medo de perder, perder o que você possui, no entanto ciúme é possessividade. Sou uma pessoa ciumenta e possessiva. Logo, egoísta. Isso é feio, eu sei. Desde que me conheço por gente sou assim, mas esses sentimentos nunca transpareceram tão bem como vêm fazendo há meio ano. E Deus criou o amor e o Diabo inventou o ciúme.
E com todas essas voltas que o mundo dá, a cada volta saio modificada, sou constantemente uma volta mais experiente. E isso faz diferença, mas não me torna menos ciosa. Risos.


terça-feira, março 11, 2008

Acredite.

Gosto dos venenos mais lentos, das bebidas mais amargas, das drogas mais poderosas, das idéias mais insanas, dos pensamentos mais complexos, dos sentimentos mais fortes… tenho um apetite voraz e os delírios mais loucos.
Você pode até me empurrar de um penhasco que eu vou dizer:
- E daí? Eu adoro voar!
Não me dêem fórmulas certas, por que eu não espero acertar sempre. Não me mostrem o que esperam de mim, por que vou seguir meu coração. Não me façam ser quem não sou. Não me convidem a ser igual, por que sinceramente sou diferente. Não sei amar pela metade. Não sei viver de mentira. Não sei voar de pés no chão. Sou sempre eu mesma, mas com certeza não serei a mesma pra sempre.

CL.

segunda-feira, março 10, 2008

Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é.

Amores impossíveis.

'Desculpem o trocadilho infame, mas a vida é feita de altos e baixos. Altos, fortes, morenos, sensuais, possíveis e aquele baixinho, meio esquisito, que não sai da sua cabeça. Impressionante como a gente sofre por nada. Um cheiro que mexe com você, um jeito de olhar contido, uma idéia inteligente, várias na verdade. Não, não é nada disso, a gente sofre é pela impossibilidade. Desde que o mundo é mundo não há nada mais afrodisíaco do que a proibição. E se a Julieta tivesse visto o Romeu acordar com mau hálito? E se o Romeu descobrisse o chulé da Julieta? Convivência é foda. Pois é, aquele baixinho esquisito não pertence ao grupo dos amores possíveis, a graça dele pode durar uma eternidade, dependendo do seu grau de estupidez criativa. Ele não quer nada com você, já tem alguém, pertence a um caminho que passa longe do seu, sabe cumé? Pertence ao campo dos idealizados, sonhados e distantes, o que faz dele enorme, lá no pedestal. E nada melhor do que as lacunas da improbabilidade para esquentar uma paixão. Nessas lacunas você tem espaço para criar a história como quiser, ganha poder, inventa. Ele é seu, seu personagem. Nesses espaços livres você coloca todos os seus sonhos, toda a sua imaginação. Cenas completas com fundo musical e palavras certas, finais e desfechos inesperados. Quando você menos espera, ele faz mais parte da sua vida do que você mesma. Mas a realidade aparece mais cedo mais tarde, vem como uma angústia. Parece vontade de fazer xixi, mas é tesão reprimido. Tesão reprimido deve dar câncer. Era só um cara interessante, agora pode te matar. Pronto, você está apaixonada. E a paixão tem suas etapas. Primeiro a negação: eu apaixonada? Imagina. Ele é impossível, nunca vai me dar bola. Depois a maximização: ele é mais inteligente, mais bonito, mais engraçado. E todos os mais possíveis para que ele seja mais desafio para você, mais inveja para as suas amigas, se você aparecer com ele na festa, mais fadinhas dançantes para fazer cosquinha no seu ego problemático. Daí é a vez da "superlativização": em vez de ser mais, ele é "o mais", o mais fodido, o mais inteligente e o mais gostoso. E você está a um passo do endeusamento: "ele é único", aí fodeu. Se ele é único, ele é a sua única chance de ser feliz. E, se ele não quer nada com você, você acaba de perder a sua única chance de ser feliz. Bem-vinda à depressão. Como você é ridícula, amor platônico é para adolescentes. Lá fora há milhares de possibilidades de felicidade, de felicidades possíveis. De realidade. E você eternamente trancada na porta que o mundo fechou na sua cara. Fazendo questão de questionar e atentar o inexistente. Vá viver um grande amor. Olha, faça um favor para mim, antes de tremer as pernas pelo inconquistável e apagar as luzes do mundo por um único brilho falso, olhe dentro de você e pergunte: estupidez, masoquismo ou medo de viver de verdade?'

domingo, março 09, 2008

Sem tempo.

Não tenho tempo pra mais nada, ser feliz me consome muito.

sábado, março 08, 2008

De perto, ninguém é normal.

Caetano Veloso.

sexta-feira, março 07, 2008

Dos sentidos para os sorrisos.

'Se os olhos agora se fecham, apenas deixam que o sentidos façam a parte da verdade e do coração que ao longe está. A imensidçaõ do silêncio nunca fez tanto sentido e nem deixou tantas palavras sem sentido. Saber do que somos feitos dentro de nós mesmos e não entender mais nada, perder o tempo, sair da existência. Se a plenitude pudesse ser descrita e se pudéssemos transcrevê-la, com toda a certeza do mundo a faríamos. Mas, descrever é limitar a extensão dos sentidos, então prefiro deixar em branco, sem cores, sem som, sem fala, sem visão, sem tato, sem nada.. apenas deixar, deixar fluir como as águas que correm, o sol que nasce e se põe, mas nunca tem fim. Tenho voltado a escrever a esmo, entendido melhor as subjetividades, encontrado simples fatos cotidianos, dado as mãos pra´s estrelas, visitado o céu; todos os dias. Tenho sorrido com os olhos, amado com as mãos mais do que jamais havia, entregado dons, decifrado olhares, sentido. Tenho estado leve independentemente de qualquer acontecimento. Tantas coisas maravilhosas: pequenas ou gigantes, a simplicidade e a doçura são sublimes.'

terça-feira, março 04, 2008

Fazendo algum sentido.

Precisa deixar respirar, até respirar junto - o mesmo ar. E, quando menos se esperar, que fantástico, é hora de voltar a brincar.

segunda-feira, março 03, 2008

So say goodbye to love, and hold your head up high.

Como diria a música..



Vai tomar no cu.

Tolerar sempre é ruim. É como uma bomba relógio. Ou como um abscesso que vai enchendo, enchendo, enchendo. Até acontecer algum fato sem noção e estoura-lo. Total. Contrário é o que acontece com a compreensão. Diferente da idéia de compreensão baseada no amor que todos devem estar imaginando agora, a compreensão deriva tanto lógica quanto linguisticamente de conhecimento. Logo, de poder. Quem compreende sempre será mais esperto, saberá anteceder erros e conviver melhor com as diferenças. Mas tudo isso vira merda se em determinado momento o individuo não aceitar o fato de que ganhos implicam em pequenas perdas. E isso foge da fria racionalidade como o diabo foge da cruz (se é que ele foge mesmo). Daí o link pro amor, pro irracional, pro emotivo. Que ironicamente também é fonte das mais bestiais rivalidades que se tem noticia. Daí a necessidade desse sentimento intraduzível. Ou traduzível até demais... Daí... Mais nada. Só vida e além. Mas de uma coisa eu sei. Tentou compreender, conseguiu, mas não aceitou, melhor se afastar do que tolerar. Sempre.


E é esse finalzinho que importa.

102º

“Experimente ver pela primeira vez o que você vê todo dia, sem ver (…) o hábito suja os olhos e lhes baixa a voltagem. Mas há sempre o que se ver. Gente, coisas e bichos. E vemos? Não, não vemos. (…) Nossos olhos se gastam no dia a dia, opacos”.

Otton Lara Resende

domingo, março 02, 2008

101º

Pode ser tarde; mas, com certeza, é a hora mais intrigante.

100º postagem.

Distância.

E não há vampiro que se aproxime mais de mim, querendo sugar minhas energias. Hãm.

sábado, março 01, 2008

#53

Agora eu entendo o porquê de contos de fadas acabarem em "foram felizes para sempre". Não há mesmo jeito de se falar de felicidade à altura da sensação. As palavras sempre saem devendo muito à realidade. Por isso, nessa fase de final de contos de fadas diários, eu me dou o direito de ficar calada. Dizendo as coisas somente através de sorrisos ou de olhos que brincam de ser sol.

sexta-feira, fevereiro 29, 2008

Penelope

Take you to the forest
Let you feel the raindrops falling down
Seeping through your redscales
Eliminate the faucet
Eliminate the need for water
Replace it with a safe shell
If they summon the rains now,
Are you gonna rise?

quinta-feira, fevereiro 28, 2008

Vivendo de por enquantos...

Sabe como é pensar que o presente é presente? Sabe como é não pensar no passado muito menos no futuro? Por enquanto está ótimo. E só importa o por enquanto.

quarta-feira, fevereiro 27, 2008

Em paz.

Vou seguindo na direção do vento. Não sei como será minha tarde, muito menos minha noite. As coisas vão acontecendo sem planos, metas, controles. Acho que é por isso que estão boas. Que assim seja. Amém.

terça-feira, fevereiro 26, 2008

Faz de conta.

'Não respondo teus e-mails, e quando respondo sou ríspido, distante, mantenho-me alheio: FAZ DE CONTA QUE EU TE ODEIO
Te encho de palavras carinhosas, não economizo elogios, me surpreendo de tanto afeto que consigo inventar, sou uma atriz, sou do ramo: FAZ DE CONTA QUE EU TE AMO.
Estou sempre olhando pro relógio, sempre enaltecendo os planos que eu tinha e que os outros boicotaram, sempre reclamando que os outros fazem tudo errado: FAZ DE CONTA QUE EU DOU CONTA DO RECADO.
Debocho de festas e de roupas glamurosas, não entendo como é que alguém consegue dormir tarde todas as noites, convidados permanentes para baladas na área vip do inferno: FAZ DE CONTA QUE EU NÃO QUERO.
Choro ao assistir o telejornal, lamento a dor dos outros e passo noites em claro tentando entender corrupções, descasos, tudo o que demonstra o quanto foi desperdiçado meu voto:FAZ DE CONTA QUE EU ME IMPORTO.
Digo que perdôo, ofereço cafezinho, lembro dos bons momentos, digo que os ruins ficaram no passado, que já não lembro de nada, pessoas maduras sabem que toda mágoa é peso morto: FAZ DE CONTA QUE EU NÃO SOFRO.
Cito Aristóteles e Platão, aplaudo ferros retorcidos em galerias de arte, leio poesia concreta, compro telas abstratas, fico fascinada com um arranjo techno para uma música clássica e assisto sem legenda o mais recente filme romeno: FAZ DE CONTA QUE EU ENTENDO.
Tenho todos os ingredientes para um sanduíche inesquecível, a porta da geladeira está lotada de imãs de tele-entrega, mantenho um bar razoavelmente abastecido, um pouco de sal e pimenta na despensa e o fogão tem oito anos mas parece zerinho: FAZ DE CONTA QUE EU COZINHO.
Bem-vindo à Disney, o mundo da fantasia, qual é o seu papel? Você pode ser um fantasma que atravessa paredes, ser anão ou ser gigante, um menino prodígio que decorou bem o texto, a criança ingênua que confiou na bruxa, uma sex symbol a espera do seu cowboy:FAZ DE CONTA QUE NÃO DÓI.'

Acho tão legal esse texto. Haha

Né Natalia?!

Quem não tem problema, inventa

segunda-feira, fevereiro 25, 2008

UHUUUUUUUUUUL

AAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH

domingo, fevereiro 24, 2008

Grandes acontecimentos geram conquistas que geram perdas..

Não sei o que é pior, a situação de antes ou agora, vendo tudo que um dia eu conquistei escapulindo das minhas mãos, escapulindo não...
É, não dá pra ter conquistas sem perdas. E aí é nessa hora que eu prefiro tudo como era antes do que perder o que eu prezo.





Um pouco calma, agora.

Raiva, raiva, raiva.

Pronto, entreguei os pontos. Depois do que acabaram de me dizer, eu não quero mais saber.



Todas as coisas que amo, deixo-as livres. Se a mim voltarem é porque as conquistei; se não voltarem, é porque nunca as tive...

Antoine de Sant Exupery

sábado, fevereiro 23, 2008

Longe.

'Viagem é mais um estado de espírito do que um deslocamento geográfico. Há quem vá daqui pro outro lado do mundo sem sair do lugar. Como há também os que não movem um pé e atingem as maiores altitudes de vôos.'

sexta-feira, fevereiro 22, 2008

Sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008.

'É sempre mais difícil ancorar um navio no espaço'

Limite Branco.

"Fico pensando se viver não será sinônimo de perguntar. A gente se debate, busca, segura o fato com duas mãos sedentas e pensa: "Achei! Achei!", mas ele escorrega, se espatifa em mil pedaços, como um vaso de barro coberto apenas por uma leve camada de louça. A gente fica só, outra vez, e tem que começar do nada, correndo loucamente em busca dos outros vasos que vê. Cada um que surge parece o último. Mas todos são de barro, quebram-se antes que possamos reformular as perguntas. E começamos de novo, mais uma vez, dia após dia, ano após ano. Um dia a gente chega na frente do espelho e descobre: "Envelheci." Então a busca termina. As perguntas calam no fundo da garganta, e vem a morte. Que talvez seja a grande resposta. A única."

Caio F.

quarta-feira, fevereiro 20, 2008

Are you watching closely?

"Todos os truques de mágica consistem em três partes, ou atos: A primeira parte é chamada “a promessa”. O mágico te mostra algo comum. Um maço de cartas, um pássaro ou um homem. Ele te mostra esse objeto. Talvez ele peça que você o examine, para provar que ele é de fato real, inalterável, comum. Mas claro, provavelmente não é. O segundo ato é chamado “a virada”. O mágico pega essa tal coisa comum, e a transforma em algo extraordinário. Agora você está procurando pelo segredo, mas não o encontrará, porque claro, você não está realmente procurando. Você realmente não quer saber. Você quer ser… enganado. Mas você ainda não aplaudiu, porque fazer algo desaparecer não é o suficiente. Você tem que trazê-lo de volta. Por isso que todo truque de mágica tem um terceiro ato. A parte mais difícil. A parte que chamamos de… O Grande Truque."


Só porque eu acabei de assistir e esse filme sempre me impressiona.

terça-feira, fevereiro 19, 2008

Auto-aceitação.

Você é feliz? Já se apaixonou pra valer? Alguém já te amou de verdade? As pessoas confiam em você? Você já sentiu dor, realmente? Seus pais se amam? Você tem certeza do que quer pra vida? E do que não quer? Você já sentiu ódio de verdade? Já quis morrer realmente? Todos os “eu te amo” que você diz são reais? Iria contra seus princípios por dinheiro? Você pode contar com todos seus amigos? Você acredita em Deus? Você está satisfeito consigo mesmo?

Bom, se você conseguiu responder todas as perguntas com certeza, parabéns. Você está muito próximo da auto-aceitação.

segunda-feira, fevereiro 18, 2008

Risos.



OIASHDIOASDOIASHDIOAHSOIDHASOIDHAHSDFAGSIFAGSDOFASF
Ah droga, que saudade da minha prima! :(

Esqueça.

'Esqueça tudo o que você sabe. Esqueça o que aprendeu sobre as palavras, elas não importam, é sério. Esqueça que pessoas são diferentes e reagem de forma diferente a situações semelhantes. Na hora de gostar, todo mundo reage igual. Não ame declarações de amor, não odeie declarações de ódio. Nem pare nelas, ignore-as. Preste atenção nas atitudes. Elas que falam e falam por si só e só elas. Seja frio, fique surdo, às vezes cego, e sinta. Isso mesmo, às vezes é preciso ser frio pra sentir. Não analise, apenas olhe pro que existe e veja o que há e o que não há. Porque quando há, se há, é fácil de ver. Não precisa nem abrir os olhos. Tem coisa que a gente simplesmente não faz por quem a gente não sente nada de especial. E nisso, garanto, todo mundo é igual. Eu, você, ele, ela.'

Ah, se arrependimento matasse...

E eu desse jeito todo errado, não dei valor.

sábado, fevereiro 16, 2008

Come to me.

Where's my love
Now I sing
Hoping someday you'll
Bring our lovely ending

Oh love
Oh love
Come to me
Oh love
Oh love
Come to me


Lembranças, lembranças..

Na vida só resta seguir um risco, um passo, um gesto rio afora.

'Ideal é fazer dos meus problemas um combustível pra acordar. Palavras e palavras e palavras. Tudo que importa delas é a intenção por trás dela. Demorou mas eu já me sinto um gigante. Nunca na minha vida me senti mais completo como nesse ponto final.'

sexta-feira, fevereiro 15, 2008

Acelero o coração...



..mas o meu tempo é imutável.

quinta-feira, fevereiro 14, 2008

Do começo ao fim.

Vivo intenso pra esquecer o que não consigo entender, o que não consigo entender. Cai, cai, cai, chuva sem parar. O mundo gira lá fora e eu não vejo. Cai, cai, cai, lá fora chuva sem parar. O mundo gira lá fora e eu não vejo. Tudo que eu queria era só mais uma vez, te ter aqui pra lhe dizer, que sem você eu sou alguém mais...feliz.

Display

terça-feira, fevereiro 12, 2008

7 meses.

Fico olhando a data do post, 11, 11, 11, 11, 11... Eu lembro do dia do meu aniversário, falta 7 meses. Teeeempo ainda. Agora, quero ver se tu é bom na matemática e adivinha quando é. Sim, bem nessa data. Trágico, não?

Eu posso tudo.

Um dia eu disse infantilmente: eu posso tudo. Era a previsão de poder um dia me largar e cair num abandono de qualquer lei. Elástica. Como eu repetia isso deslumbrada... ‘Eu posso tudo’, ‘eu posso tudo’.. E noutro dia eu pude tanto que não pude mais.

Waiting...

Nessas horas eu quero me agarrar a um poste e esperar a tempestade passar, dentro de mim. Sei que os relâmpagos são tão fortes que quase me deixam atordoada. Mas ainda bem que é tempestade de verão que até parecem ameaçadoras, mas faz algum tempo que descobri que elas são apenas um amontoado de pequenas gotículas. E que secam, antes que eu perceba.

segunda-feira, fevereiro 11, 2008

Bring Me Your Love



Dallas, Dallas, Dallas...

Esperando o sono chegar.

quinta-feira, fevereiro 07, 2008

Quinta-feira, 7 de fevereiro de 2008.

E tudo faz sentido quando se deixa de tentar enfiar o mundo dentro de gavetas e escaninhos, e simplesmente se abre pensamento e desejo, para voar.

Lya Luft

quarta-feira, fevereiro 06, 2008

E ecoa-oa-oa-oa-oa...

Não sinto nada. Preciso pelo menos de uma dose de compaixão.

terça-feira, fevereiro 05, 2008

Caio F.

'As pessoas falam coisas, e por trás do que falam há o que sentem, e por trás do que sentem, há o que são e nem sempre se mostra. Há os níveis não formulados, camadas inperceptíveis, fantasias que nem sempre controlamos, expectativas que quase nunca se cumprem e sobretudo, como dizias, emoções que nem se mostram.'

sábado, fevereiro 02, 2008

Aprendendo a viver..

Aprender com meus erros e com meus acertos.

sexta-feira, fevereiro 01, 2008

Se não sei o nome do que sinto não há nome que domine o meu querer.

Cansei de procurar algum trecho ou texto que expresse o momento, não achei nada comparado ao que eu sinto hoje. Agora. São apenas sensações boas, juro.

quarta-feira, janeiro 30, 2008

Eu só queria um namorinho de portão.

'Não, você não precisa ter o abdômen do mocinho da novela, afinal eu adoro meus peitos naturais que se mexem de leve quando eu corro e desaparecem um pouco quando eu emagreço demais. Acho até que posso ficar com sua barriga pra sempre, mas já faz tempo que não acompanho nem uma semana seguida de qualquer novela.
Eu não quero que você me busque num super potente carro, eu só quero que quando você me beije, eu não deseje mais nenhuma força do universo. Estou pouco me lixando se o restaurante tem várias cifras no guia da Folha, mas gostaria muito que a gente esquecesse das mesas ao lado e risse a noite toda, eu até brindaria com água sem bolhinhas.
Sério que tem uma pousada mega-master com ofurô em cima da montanha e charretes cor-de-rosa que trazem o café da manhã? Dane-se, se você conseguir passar, nem que seja algumas horas, encantado pela gente, essa será a maior riqueza que eu posso ganhar.
Sim, a tecnologia é mesmo fantástica, só que hoje eu queria sumir com você para um lugar onde não pegue o celular, não pegue a internet, não pegue a televisão, mas que a gente, em compensação, se pegue muito.
Sim, sim, música eletrônica é demais, celebrar a vida com os amigos é genial, pular bem alto é sensacional. Mas será que a gente não pode colocar um Cartola bem baixinho na vitrola e dançar sozinhos no escuro, só hoje? Será que a gente não pode parar de adjetivar o mundo e se sentir um pouco?
Eu procuro você desde o dia em que nasci, não, eu não dependo de você nem para andar e nem para ser feliz, mas como seria bom andar e ser feliz ao seu lado.
Só que estamos com um problema: vai ser um pouco difícil a gente se conhecer porque tenho evitado sair de casa.
Eu não odeio mais as garotas em série e seus namorados em série, eu não odeio mais a sensação de que o mundo está perdido e as pessoas lutam todos os dias para se parecerem ainda mais com o perdido ao lado, se perdendo ainda mais.
Eu não odeio mais quem cuida do corpo mas esquece da alma, quem cuida do cabelo mas esquece da mente, quem cuida da superfície mas faz eco por dentro, quem coloca um peito de silicone mas esquece de dar mais uma chance ao amor.
Eu não odeio mais a galera feliz em pertencer a um mesmo barco que não vai a lugar nenhum. Eu só acho isso tudo muito triste e prefiro não ver. Eu prefiro não fazer parte da feira que compete pra ver quem tem a casca mais bonita.
Voando eu sei que você não vem, até porque eu jamais namoraria um super-homem: tenho horror a pessoas falsamente infalíveis.
Não quero um homem que sempre vence, que sempre impressiona, que sempre salva e sorri impecável em dentes brancos e músculos ressaltados por um colan com as cores da bandeira americana.
Você pode ter medo de monstrinhos imaginários e dormir com a porta trancada, pode ficar meio tristinho quando, numa festa cheia de amigos, lembrar que é sozinho no mundo, pode perguntar assustado no meio da noite “aonde você vai” mesmo sabendo que é só um xixi, pode até fazer piada com o seu medo de estar vivo, e pode, inclusive, ficar sério e quieto, de repente, por causa disso também.
Não existe Orkut, não existe Messenger, não existe celular, não existe um supercelular que é máquina fotográfica, Orkut e Messenger ao mesmo tempo. Não existe o décimo quarto andar do meu prédio com 8 seguranças lá embaixo. Não existe a balada perfeita com 456 garotas iguais e programadas para te dar um amor levemente inexistente. Não existe esperar que a vida fique mais compacta, mais veloz, mais completa e mais fácil, assim como o computador.
Existe essa coisa simples, antiga e quase esquecida pela possibilidade infinita de se distrair com as mentiras modernas do mundo. Existe o amor, mas onde ele foi parar depois de tudo isso?
Eu não tenho um portão para te esperar, como minha avó um dia esperou pelo meu avô e eles ficaram juntos por 70 anos. Talvez eu também seja engolida por esse mundo que cria tantas facilidades para a gente não sofrer. Tenho medo de que tudo seja uma mentira e de verdade sinto que é, mas ainda acordo feliz todos os dias esperando que ao menos você seja verdade.'

É bonitinho, vai...
Hoje eu acordei meio romântica.

terça-feira, janeiro 29, 2008

Enquanto.

'Atrás da porta do banheiro tem jornal. Embaixo da cama, ao lado do sofá, caído atrás do computador. Eu quero alcançar as folhas, as notícias, o mundo lá fora. Mas meus passos são tão lentos e monótonos e sofridos. Estou naquele pesadelo sem movimento e sem ação. Com a diferença que não tenho aquela vontade louca e angustiada de fazer xixi. Ou será que tenho? Não sei, não sinto nada. De tanto que sinto tudo, estou minuciosamente abandonada e apática.
Deito no escuro e isso me parece ser o máximo de que sou capaz. Não pensar em absolutamente nada é o limite da inteligência que posso chegar agora.
Nada me afeta, mas tudo sinaliza uma urgência distante. Como quase sofro por não poder nem tocar e nem resolver nada, sofro constante e leve. E isso me parece sem fim. Ainda que o sem fim, nesse caso, não tenho o peso do eterno. Mas apenas porque nada agora tem peso. Estou flutuando de tão leve, mas é embaixo do chão.
Posso ficar horas depilando a sobrancelha. E as horas passam, eu as vejo passando, mas não domino nada, não sou senhora de nada. Aceito essa falta de vontade, essa falta de ambição. Sou um mimetismo tão bem desenhado do nada que eu mesma não me encontro nele.
Respiro fundo e isso me cansa. Acabou a água mas o supermercado fica em outro mundo. Acabou o papel higiênico mas tem papel toalha. Sou um bicho limpinho, mas apenas por vício em ser limpinha. Estou no automático. Vaidade programada. A luz acabou mas tenho um gerador para esses momentos de crise. Um gerador vagabundo que só iluminha uma luzinha lá longe, dizendo pra mim que eu saí mais volto já.
Preciso pagar contas mas é tão absurdo ouvir aquela voz robótica da mocinha solícita que não acho um absurdo ficar assim mesmo, devendo ao mundo. Foram os homens, falhos, humanos, que fizeram as leis. Hoje não quero respeitar nada. Não por rebeldia, não por nada. Apenas porque querer cansa mais que respirar. E querer essas merdas de pagar contas e documentar a vida não passam de uma grande bosta.
Tudo dá um trabalho imenso. Queria existir sem ter de pagar por isso. Sem ter de apresentar um documento que prove minha existência. Queria existir sem pedir desculpas ou apresentar provas.
Acho tudo um grande porre. Um grandessíssimo porre. De vez em quando, no meio do porre, a gente arruma alguém pra fazer uma coceguinha no nosso coração. Mas aí, depois da coceguinha, a vida volta ainda mais tosca. E tudo volta um porre ainda maior.
Porque ninguém se mantém interessante ou mágico. Mas a gente espera, lá no fundo, perdido, soterrado e cansado, que a vida compense de alguma maneira. E a gente ganha dinheiro, compra roupa, aprende novas piadas, passa protetor labial. Só pra que a vida compense em algum momento. Só pra ganhar a coceguinha no coração. Coração burro, tadinho. Que preguiça desse coração burro.
E a pessoinha mortal e cheia de motivinhos legais pra ser feliz segue aprisionada por essa falta de alma. E minhas coisas vão se acumulando. E não há nada que eu possa fazer sem minha alma. A agenda vagabunda me espera, com datas, esperanças e meios de ganhar dinheiro. E eu sequer consigo virar a primeira página. E milhões de livros ganham silêncio. E músicas novas perdem meus buracos. E garotos falsos cognatos perdem meus buracos. E eu estou no escuro, com uma leve impressão de que preciso voltar para a vida, porque a vida está acumulando e depois eu não vou dar mais conta de ser eu. Mas que preguiça de ser esse eu aí. Esse ser cheio de vontades, certezas e vidas na ponta da caneta. Eu me espero como uma boneca murcha, ensacada pela minha falta de alma.
E meu creme para celulite da Nivea me espera, pela metade. E minha touca com flores vermelhas me espera, pendurada no registro. Meu porteiro fala “resisto” e também espera que eu volte. Eu e minhas imitações de porteiro. A papelada toda de coisas que eu sonhei e de sonhos que me empurraram, adivinhem? Também me esperam.
E essas coisas que vou conseguir, essas coisas que eu vou abandonar de vez e até essas coisas que eu nem sei que ainda preciso. Tudo isso aguarda por mim.
A casa tá quietinha coitada, nem a geladeira estrala mais aquele tanto. Estão todos querendo que eu volte, mas ninguém vai me encher, ninguém vai me apressar. Alma não é sonâmbula, nem metade, nem sombra. Por isso mesmo que às vezes demora tanto.'

Una verdad no dice nada!

Una palabra no dice nada
Y al mismo tiempo lo esconde todo
Igual que el viento que esconde el agua
Como las flores que esconde el lodo.

Quero ver o filme de novo e ouvir a música.
UNAAAAAAAAA PALABRAAAAA

segunda-feira, janeiro 28, 2008

Delícia.

sábado, janeiro 26, 2008

If I lay here, if I just lay here, would you lay with me and just forget the world?

Alguém me leva daquiiiiiiiiiiiiiii.

Pouco ou muito.

Muito pra mim é tão pouco e pouco é um pouco demais.

sexta-feira, janeiro 25, 2008

Você me dói agudo e isso é grave.

Naquele dia senti
Que, finalmente,
Tua máscara ia cair
Definitivamente
Eu estava cansado
De te ouvir mentir

Meu corpo doía de um lado
Minha alma fervia do outro
De novo no mesmo lugar
E eu não queria estar ali

Tenho certeza que tu és o castelo
Onde o meu desejo mora
Mas me machuquei
Quando me aproximei
De tuas paredes de pedra

E tudo que sonhei
Me incomoda agora
Seja qual for o dia
Seja qual for a hora
Antes de pensar em me procurar
Me apague da tua memória

Porque já tranquei as portas
E escondi as chaves
Só não vi de que lado fiquei
De dentro, ou por fora, nem sei

Você me dói agudo e isso é grave,
Grave
Antes de te reencontrar
Sei que preciso voltar
A ser alguém

Alguém que saiba, pelo menos
Tudo aquilo que não quer
Alguém que tente
Atravessar o túnel no final da luz

Pois fiquei cego, surdo e mudo
E agora quero me esquecer de tudo
Pra descobrir em fim o que sobrou de mim
Que ainda me seduz

Se por acaso pensas que
Eu vou me perder por aí
Ainda vou gritar no teu ouvido
Que a vida é um parafuso sem fim

Que a cada volta
Aperta mais
E nunca afrouxa
Para trás
Só então saberás que
Desde o início eu já era assim

Você me dói agudo e isso é grave, grave



Adoroooo essa música. Mas nada de agudo, grave, máscara, mentira, procura, reencontro, sobra..

quarta-feira, janeiro 23, 2008

Quarta-feira, 23 de janeiro de 2008.

As pessoas falam coisas, e por trás do que falam há o que sentem, e por trás do que sentem, há o que são e nem sempre se mostra. Há os níveis não formulados, camadas inperceptíveis, fantasias que nem sempre controlamos, expectativas que quase nunca se cumprem e sobretudo, como dizias, emoções que nem se mostram.

Caio F.

#96345

'mas se você quer provar que é melhor do que alguém, você pode até ser, mas isso não convém... não me venha com perguntas, só me dê respostas, mas antes de ir embora, tire a faca das minhas costas'

terça-feira, janeiro 22, 2008

Ai ai ai..

Preciso dormir. Vem sono, vem ni mim.

segunda-feira, janeiro 21, 2008

Guns N' Roses.

So nevermind the darkness
We still can find a way
'Cause nothing lasts forever
Even cold November rain

sábado, janeiro 19, 2008

Cena final.

'Minhas palavras vieram sucessivamente acompanhadas de muitas vírgulas. Igualmente, minha vida. No momento em que as deixo de lado colocando um ponto término nestes meus versos vagos de amor começo a discorrer a existência, em si, de modo distinto. Coloco primeiramente um final a esta minha angústia, este sentimento sem nome que assombra meu peito, afasta-me de meu mundo, tira-me o sono, muda-me a personalidade. Junto a ela arquivo na gaveta das lembranças centenas de orações não ditas, tentativas frustradas de mostrar-me transparente e agradar qual não pode ser amimado.
É hora de localizar minhas pernas e seguir. Acoplado a este ar que ausenta-se de meus pulmões sinto esvair-se o mundo que transportava nas costas, aquele idealizado com exércitos e fortificação. A sensação de avaria, por espantoso que possa parecer, não me atenua, e sim, mostra-me horizontes abrangentes distantes destes bosques.
Chegada a hora de fechar-se as cortinas agradeço ao público que conservou-se até o final do espetáculo e vou-me embora com o coração abandonado e um sorriso nos lábios.
Imediatamente, ao dar início a minhas percepções sobre o amor, escrevo com os olhos acesos, a esperança de uma nova história. Em novo parágrafo, novo filme.'

quinta-feira, janeiro 17, 2008

À bunda

Olha, desta vez você passou das medidas. Só não boto você para fora, agora, porque é a sua cara dar escândalo.
Estou cheia de você atrás de mim o tempo todo. Fica se fazendo de fofa, enquanto, pelas minhas costas, chama a atenção de todo mundo para meus defeitos.Você está redondamente enganada se pensa que eu vou me rebaixar ao seu nível – o que vem de baixo não me atinge. Mas faço questão de desancar essa sua pose empinada.Por que nuncaencara as coisas de frente?Fica parecendo quetem algo a esconder. Poracaso, faz algumacoisa que ninguémpode saber?
Você é, e sempre foi, um peso na minha existência – cada papel que me fez passar... Diz-se sensível e profunda, mas está sempre voltada para aquilo que já aconteceu. Tenho vergonha de apresentar você às pessoas, sabia?Por que você nunca encara as coisas de frente, bunda? Fica parecendo que, no fundo, tem algo a esconder. Por acaso, faz alguma coisa que ninguém pode saber? O que há por trás de todo esse silêncio?Você diz que está dividida e que eu preciso ver os dois lados da questão. Ora, seja mais firme, deixe de balançar nas suas posições.Longe de mim querer me meter na sua vida privada, mas a impressão que dá é que você não se enxerga. Porque está longe de ter nascido virada para a lua e costuma se comportar como se fosse o centro das atenções.Bunda, você mora de fundos, num lugar abafado. Nunca sai para dar uma volta, nunca toma um sol, nunca respira um ar puro. Vive enfurnada, sem o mínimo contato com a natureza. O máximo que se permite é aparecer numa praia de vez em quando, toda branquela.Não é de admirar que esteja sempre por baixo. Tentei levar você para fazer ginástica, querendo deixar você mais para cima, mas fingiu que não escutou.Saiba que você não é mais aquela, diria até que anda meio caída. E vai ter que rebolar para mexer comigo, de novo, da maneira que mexia.Lembro do tempo em que eu, desbundada, sonhava em ter um pouquinho mais de você. Agora, acho que o que temos já está de bom tamanho. E, pensando bem, é melhor pararmos por aqui antes que uma de nós acabe machucada.Sei que qualquer coisinha deixa você balançada, então não vou expor suas duas faces em público. Mas fique sabendo que, se você aparecer, constrangendo-me diante de outras pessoas, levarei seu caso ao doutor Albuquerque*.Lamento, isso dói mais em mim do que em você, mas você merece o chute que estou lhe dando.
Duplamente decepcionada,
Fernanda Young.

Sorria, sorria, sorria!

Sorri
Quando a dor te torturar
E a saudade atormentar
Os teus dias tristonhos, vazios

Sorri
Quanto tudo terminar
Quando nada mais restar
Do teu sonho encantador

Sorri
Quando o sol perder a luz
E sentires uma cruz
Nos teus ombros cansados, doloridos

Sorri
Vai mentindo a tua dor
E ao notar que tu sorris
Todo mundo irá supor
Que és feliz

terça-feira, janeiro 15, 2008

Espaço Liso.

Eu amo a causa, e não a conseqüência
Eu amo o pensamento, e não a inteligência
Eu amo a loucura, e não a consciência
Eu amo a paciência, eu amo a paciência

Eu amo o deserto, a não a muralha
Eu amo o mergulho, e não a medalha
Eu amo suor, e não a toalha
Eu amo a batalha, eu amo a batalha

Eu amo a alma, e não a pessoa
Eu amo a cara, e não a coroa
Eu amo a corrida, e não a linha de chegada
Eu amo a estrada, eu amo a estrada

Eu amo o agora, e não a memória
Eu amo a luta, e não a vitória
Eu amo o fato, e não a história
Eu amo a trajetória, eu amo a trajetória

Eu amo o bem forte, e não o assim
Eu amo o papel, e não o cetim
Eu amo pra onde vou, e não de onde eu vim
Eu amo o meu meio, e não o meu fim


Moska para os meus ouvidos.

domingo, janeiro 13, 2008

Boa o suficiente...

pra abalar sua mente, ruim na medida pra destruir a sua vida.
MUAHAHAHAHHA

sábado, janeiro 12, 2008

Sábado, 12 de janeiro de 2008.

'Eu poderia voltar a falar de todas as coisas que me fizeram chegar até aqui. E seria, novamente, inútil. Primeiro, porque chegar aqui foi resultado do que não fiz, do que deixei de fazer, do que deixei de falar, do gesto que deixei de arriscar, da palavra ousada ou da arrogância errada. Não é uma questão de arrependimento, ressalto. Pelo contrário, é como olhar para trás e vislumbrar como todos os passos não dados foram fundamentais para essa trajetória. Também não é uma ode ao erro. Porque o equívoco é sempre um mistério, uma incógnita: nunca sabemos ao certo o que fazer após um erro. Pode vir a ser o pressuposto para o acerto, um aprendizado, um arrependimento. O equíovoco nunca mostra sua face no primeiro encontro.'

sexta-feira, janeiro 11, 2008

Leveza.

'E a vida é cada vez mais cheia de graça. Os caminhos vão se colocando à minha frente. Como se existissem anjos estendendo um tapete para que eu passe em cima. E o fato de eu dizer isso não vem carregado de prepotência, apenas de uma sensação muito boa de leveza e equilíbrio. Uma paz que se instalou ao meu lado e que eu não quero perder nunca mais de vista.'

quarta-feira, janeiro 09, 2008

Quarta-feira, 9 de janeiro de 2008.

'Não quero perguntar por que, pode-se perguntar sempre por que e sempre continuar sem resposta: será que consigo me entregar ao expectante silêncio que se segue a uma pergunta sem resposta? Embora adivinhe que em algum lugar ou em algum tempo existe a grande resposta para mim.'

CL

terça-feira, janeiro 08, 2008

Vício!


Vício! Vício! Vício! Vício! Vício!